VidMonsters
Por VidMonsters

Entenda como funciona o processo de monetização no YouTube

VidMonsters
Por VidMonsters

Você sabia que é possível ganhar dinheiro criando um canal de vídeos para a sua empresa no YouTube? Pois é! Muitas organizações já utilizam essa plataforma como uma importante estratégia para aumentar os seus rendimentos. É por isso que hoje vamos ensinar como funciona a monetização no YouTube.

Uma das maiores tendências da produção de conteúdo atualmente é o crescimento na criação e consumo dos vídeos online. Esse fato pode ser comprovado pelo crescente número de transmissões ao vivo, cursos online, youtubers e outros digital influencers que surgiram no mercado do marketing digital nos últimos anos.

E o YouTube é o local perfeito para que empresas de todos os portes atraiam mais audiência para ao seu conteúdo. E, de acordo com estimativa divulgada pela própria plataforma, o esperado para 2017 era que o vídeo representaria 69% do tráfego da internet por consumidores.

Mas a utilização dos serviços de vídeo online dobrou, atingindo mais do que 80% de todos os usuários de Internet do mundo. É muita coisa! E espera-se que esses números aumentem ainda mais nos próximos anos, comprovando que os vídeos online vieram para ficar.

Por esse e outros motivos, você precisa estar sempre atento e atualizado com as novidades desse mercado. Vamos nessa?

A monetização do YouTube

Monetização, como o próprio nome sugere, é transformar algo em dinheiro. É fazer com que algum bem ou serviço ofertado pela sua empresa seja lucrativo e rentável. E, no caso da monetização do YouTube, o bem ou serviço prestado pela sua organização será a produção de vídeos, que é uma verdadeira febre atualmente.

donald duck money GIF

Assim como no meio não virtual, a maneira mais comum de rentabilizar algo a partir da divulgação online de um vídeo é por meio de publicidade. Porém, já existem algumas novidades, como as redes de afiliados, que parecem ter vindo para democratizar essa forma de monetização.

Atualmente, qualquer pessoa pode tentar monetizar os conteúdos que divulga na web. Mas, para ganhar dinheiro com vídeos no YouTube, você precisa seguir alguns passos e saber que o processo de como funciona a monetização do YouTube sofreu algumas mudanças recentemente.

Monetização do YouTube: como funcionava antes?

Por causa das mudanças no processo de monetização do YouTube, as possibilidades para alguns criadores de conteúdo foram limitadas. Entretanto, é importante que você entenda com clareza como funcionava esse processo anteriormente.

De forma geral, a monetização no YouTube funciona baseada no YouTube Partner Program. É esse programa que permite o cadastro gratuito de produtores de conteúdo que já possuem uma conta na plataforma de vídeos online.

Até o ano passado, diferentes tipos de produtores de conteúdo podiam ganhar dinheiro por meio de anúncios veiculados no início de seus vídeos. São aqueles famosos vídeos de até 30 segundo que são reproduzidos automaticamente, sabe? Mas, para isso, existiam alguns pré-requisitos para um criador de conteúdo ser aceito no YouTube Partner Program:

  1. A sua empresa deveria ser capaz de comprovar que todo o conteúdo produzido por ela é original;
  2. O conteúdo deveria ser produzido regularmente;
  3. A postagem de conteúdo deveria seguir todas as regras da Comunidade do YouTube;
  4. O usuário deveria estar localizado em um dos países da lista do Partner Program.

Caso todas as condições acima fossem cumpridas e conseguindo a aprovação do YouTube, você poderia começar a veicular anúncios no canal da sua organização na plataforma.

E, através do Google AdSense, que o serviço oficial de anúncios da Google, as propagandas seriam veiculadas em alguns vídeos, mas de acordo com a escolha automática do sistema. Ou seja, seu lucro só viria a partir da quantidade de cliques em anúncio, ou tempo de publicidade assistido pela audiência.

Mas, quais foram as mudanças?

Entendeu como funcionava a monetização do YouTube antes? Então, agora é hora de conferir as mudanças pelas quais as regras de monetização passaram.

2017: a primeira mudança

No primeiro semestre de 2017, a Google apresentou algumas grandes mudanças. A primeira alteração que vale a pena ressaltarmos é referente ao sistema de elegibilidade do Partner Program.

A partir de então, a empresa teria que obedecer a um novo pré-requisito antes de se candidatar. Com isso, a monetização no YouTube só seria possível para os canais que tivessem mais de 10 mil visualizações em seus vídeos.

Isso mesmo! A equipe do YouTube justificou a alteração no processo de monetização do YouTube, afirmando que ela resultou numa maior validação dos produtores.

De acordo com a visão dos responsáveis pela plataforma, os usuários do YouTube que querem monetizar o seu canal têm a garantia de que os anúncios não sejam vinculados a vídeos ofensivos, por exemplo. Afinal, nenhuma empresa quer que suas propagandas sejam transmitidas em vídeos com conteúdo duvidoso e que possam causar danos à imagem da marca.

Mas não foi só isso. Outra mudança importante, também realizada em 2017, foi sobre a exigência de que os canais passem por uma avaliação mais exigente do YouTube. Com isso, usuários que apostavam na trapaça para aumentar o número de visualizações e inscritos passaram a ser penalizados na validação do YouTube.

Segundo o Google, alguns usuários faziam uso de ferramentas para redirecionar ou comprar views em um vídeo. Com essa mudança, a plataforma passou a validar periodicamente todas as visitas em vídeos de uma conta, removendo aquelas que são fraudulentas.

O que muda a partir de 2018?

Pois bem, no início de janeiro a plataforma redefiniu novamente as regras de monetização do YouTube. Foram três mudanças significativas que afetam diretamente os criadores de conteúdo e a monetização de vídeos. Vamos conhecer quais são elas.

O YouTube anunciou que, a partir de agora, quem quiser ganhar dinheiro com vídeos na sua plataforma passará por uma análise muito mais criteriosa.

Porém, em vez de analisarem apenas o número de visualizações dos vídeos, serão considerados dados como tamanho do canal, engajamento da audiência e comportamento do criador de conteúdo na rede social.

A partir de agora, somente os canais com, no mínimo, 1 mil inscritos e 4 mil horas de conteúdo assistidos nos últimos 12 meses serão validados para o programa de monetização da empresa.

Além disso, os canais que já estão ativos para a monetização, mas que não cumprem com os novos requisitos, serão reavaliados e removidos do programa até o dia 20 de fevereiro.

O YouTube também avaliará o comportamento do canal. A plataforma passará a revisar manualmente todas as violações de regras, casos de spam e denúncias feitas por usuários. Assim, ele pretende garantir que os canais estejam de acordo com as diretrizes do site. Os canais que já estão ativos para monetização serão avaliados automaticamente.

Alterações no Google Preferred

A Google aproveitou o anúncio de mudanças na monetização do YouTube para apresentar também as alterações nas regras do Google Preferred.

Resultado de imagem para google preferred

Mas o que é o Google Preferred? É uma espécie de plataforma que une a elite dos criadores de conteúdo com grandes marcas de anunciantes. Assim, as empresas podem investir em anúncios direcionados diretamente nos vídeos mais populares da rede social e alcançar um público maior com sua publicidade.

Anteriormente, eram mostrados os canais mais vistos, seguidos e compartilhados no YouTube. Eles eram divididos em 12 categorias temáticas, como humor, educação e games, e passavam por constantes reavaliação em função do tempo de exibição, curtidas, compartilhamentos e frequência de postagens.

Mas, de agora em diante, os canais que forem selecionados para o Preferred passarão por uma seleção manual. O objetivo dessa alteração na ferramenta é garantir que os vídeos sejam realmente relevantes para os anunciantes e que o seu conteúdo não seja impróprio ou criminoso.

Acredita-se que grande parte das alterações anunciadas esteja relacionada ao caso de Logan Paul, um dos maiores youtubers do mundo.

Caso Logan Paul

O jovem de 22 anos publicou, recentemente, um vídeo no qual mostrava explicitamente o corpo de uma vítima de suicídio em uma floresta japonesa.

O seu canal possuía mais de 15 milhões de inscritos e esse vídeo foi selecionado, pelo próprio YouTube, para a sessão de destaque, baseado no alcance e nas visualizações. O fato causou uma grande revolta entre o público, anunciantes e criadores de conteúdo.

Após o ocorrido, Logan Paul abandonou a carreira de youtuber durante um mês e se desculpou publicamente pelo ocorrido. Mas isso não impediu que o caso abalasse a imagem do YouTube entre as empresas anunciantes.

De acordo com o YouTube, a partir de agora, todos os vídeos serão avaliados manualmente. Com isso, o processo de monetização pode atrasar ainda mais, até mesmo para os maiores canais da plataforma.

Youtube 

Por que mudar a monetização do YouTube?

Toda mudança tem um motivo, não é mesmo? E não foi diferente com a monetização do YouTube. De acordo com publicação do próprio site de vídeos online, as razões que justificaram as mudanças com relação ao Partner Program são:

  1. A aparente simplicidade no programa de monetização fez com que muitos usuários aderissem à plataforma. O aumento no número de usuários acabou dificultando a validação dos canais que seriam aprovados;
  2. Os anunciantes não possuíam controle sobre os vídeos em que seus anúncios seriam veiculados, já que a escolha do conteúdo em que a publicidade aparecia era feita pelo próprio sistema. Além disso, é válido destacar que tal sistema era baseado em um algoritmo, e não em uma validação do YouTube. As regras que regiam esse algoritmo eram incertas e pouco transparentes, causando desconfiança entre os anunciantes;
  3. A plataforma constatou que um grande número de anúncios era veiculado em vídeos considerados ofensivos ou censuráveis;
  4. Isso causou desconforto em grandes anunciantes, que viram suas propagandas sendo transmitidas em canais com conteúdo considerado inapropriado. Isso poderia causar prejuízo à sua imagem e até problemas mais graves;
  5. Grandes companhias, como a Vodafone, a Starbucks e a PepsiCo anunciaram a saída da plataforma por causa dos motivos que apresentamos acima;
  6. A saída de empresas famosas acabou causando uma grande repercussão em toda a internet;
  7. Como consequência disso, diversas outras organizações de porte similar ou superior acabaram aderindo ao movimento, abandonando a plataforma e tornando a situação ainda mais crítica para o YouTube e a Google.

A justificativa do YouTube

Ao anunciar as mudanças mais recentes, o YouTube informou que criou um sistema de três camadas que permitirá que anunciantes avaliem se seus anúncios estão sendo veiculados em vídeos com conteúdo ofensivo ou censurável.

Entretanto, não foi explicado exatamente o que são essas três camadas e o seu funcionamento. A ideia é oferecer mais dados às empresas anunciantes, facilitando a compreensão das vantagens de anunciar em determinados vídeos.

Outro objetivo por trás das novas mudanças é aumentar a transparência para as empresas, com um sistema focado na segurança. Terceiros poderão denunciar problemas relacionados à exposição da marca no site de vídeos.

De acordo com o YouTube, os sistemas estão em fase de testes e funcionarão através de parcerias com outras plataformas.

Ou seja, podemos considerar que as modificações na plataforma são oriundas de retornos de importantes usuários, além da sensibilização de forma prática para a garantia do crescimento do Youtube.

Passo a passo de como monetizar vídeos no YouTube

Para ativar a monetização dos vídeos no YouTube, você precisa, primeiramente, abrir uma conta da sua empresa na plataforma de vídeos. Para isso, basta seguir os passos abaixo:

  1. Entrar no endereço online da mídia social;
  2. Clicar no botão “Entrar” no canto superior direito da página inicial;
  3. Clicar em “Criar uma conta” no canto superior direito da tela;
  4. Caso sua empresa já tenha uma conta do Gmail, então, já deverá ter uma do YouTube automaticamente;
  5. Insira o nome de usuário e senha do e-mail para fazer login no site.

Pronto! A sua conta no YouTube já está criada. Fácil, não é? Agora, é hora de seguir as três seguintes etapas:

1. Leia e concorde com os termos do Programa de parcerias do YouTube

Após criar a sua conta no YouTube, leia e concorde com os termos do Programa de parcerias da plataforma. Para fazer isso:

  1. Faça login na sua conta do YouTube;
  2. Selecione o ícone da conta Estúdio de Criação, no canto superior direito;
  3. Selecione Canal, Status e recursos no menu à esquerda;
  4. Clique em Ativar em Monetização;
  5. Siga as instruções na tela para aceitar os termos do Programa de Parcerias do YouTube.

2. Inscreva-se no Google AdSense

Agora é hora de inscrever a sua organização na plataforma oficial de anúncios da Google. Para cumprir essa etapa, você precisa criar uma nova conta do Google AdSense ou vincular uma existente ao canal da sua empresa. Tal acesso é necessário para gerar receita com seus vídeos e, consequentemente, receber pagamentos. Para criar uma conta do Google AdSense, basta:

  1. Acessar https://www.google.com/adsense/start;
  2. Clicar em Inscreva-se agora;
  3. Escolher uma Conta do Google a ser usada para se inscrever no Google AdSens;
  4. Inserir o URL do site no qual você deseja exibir anúncios;
  5. Escolher se deseja que o Google AdSense envie sugestões personalizadas de ajuda e desempenho. O recomendado é que aceite o envio de sugestões;
  6. Selecionar o país ou território de origem;
  7. Ler e aceitar os Termos e Condições do Google AdSense;
  8. Clicar em Criar conta.

Agora, para receber os pagamentos referentes aos anúncios, é necessário fazer login na conta do Google AdSense e garantir que resolveu todas as retenções de pagamento.

Apenas quando todas as retenções estiverem totalmente resolvidas é que será feito o pagamento de acordo com os ganhos que os conteúdos alcançarem. No entanto, a plataforma estabelece um limite mínimo para pagamento local, no valor de $100,00.

3. Configure as preferências de geração de receita

A terceira e última etapa é referente à definição de quais tipos de anúncios deseja incluir nos seus vídeos. Além disso, é hora de fazer a ativação automática de receita para todos os vídeos do canal da sua organização.

Com essa configuração feita, agora sim você já pode começar a gerar lucro com o seu canal no YouTube. Mas não se esqueça que ele precisa ser aprovado primeiro.

Para fazer todas essas configurações:

  1. Confirme que quer gerar receita com todos os seus vídeos atuais e futuro;
  2. Marque as caixas em Formatos de anúncio para escolher quais tipos de anúncio serão exibidos;
  3. Clique em Salvar e pronto.

Também é importante que você saiba que é possível alterar essas configurações a qualquer momento. Com isso, esse recurso é ativado ou não automaticamente para cada novo envio. Você também pode escolher vídeos específicos com os quais deseja gerar receita.

Critérios para geração de receita com vídeos

Já alertamos anteriormente que, para que a monetização dê certo, o canal no YouTube da sua organização precisa ser aprovado para participar do programa de parcerias da plataforma.

Como vimos, as regras sobre como funciona a monetização do YouTube foram alteradas no início deste ano. Agora, para que isso ocorra, o canal precisa ter, no mínimo, 1 mil inscritos; além de ter acumulado 4 mil horas de conteúdo assistido nos últimos 12 meses.

Mas não é apenas isso. Os vídeos veiculados no canal da sua organização também precisam cumprir algum requisitos para gerar receitas. São eles:

  1. Todo e qualquer conteúdo em vídeo postado no YouTube deve ser adequado para anunciantes;
  2. É necessário que a empresa tenha criado o conteúdo a ser postado ou possua os direitos autorais para usá-lo comercialmente;
  3. A plataforma pode, a qualquer momento, exigir toda a documentação que comprova que a sua organização detém os direitos comerciais de todo o conteúdo de áudio e de vídeo;
  4. O conteúdo postado pela sua empresa precisa cumprir a política do Programa de parcerias do YouTube, os Termos de Serviço do YouTube e as Diretrizes da comunidade.

Ao ativar o funcionamento da monetização do YouTube em prol da sua organização; não se esqueça que a plataforma se reserva no direito de desativar a geração de receita a qualquer momento no caso de contas que não respeitam as diretrizes que nós apresentamos.

Agora que você já sabe como monetizar, é hora de lucrar com seus vídeos! Clique aqui e aprenda como ganhar dinheiro no YouTube.