Loading Posts...

Digite seu e-mail para ler o artigo completo.

Compartilharemos este artigo com você.

Seu endereço de e-mail é 100% seguro contra spam! Powered by ConvertKit

Se você quer aprender a fazer um roteiro de vídeos de sucesso, chegou ao lugar certo!

O vídeo já é uma ferramenta essencial na internet e ganha cada vez mais alcance.

Afinal, o formato é a forma preferida de aprendizado e consumo de todo tipo de conteúdo, por usuários da internet de todo planeta!

Não é à toa que empresas e pessoas já investem na produção audiovisual para divulgação dos seus produtos e serviços e a torna parte central de suas estratégias de marketing digital.  

Porém, a realização de um material de qualidade exige, primeiramente, um bom roteiro.

O roteiro permite o planejamento e a organização de cada elemento e procedimentos utilizados na produção de um vídeo. Assim, atua como uma espécie de ensaio ou como uma receita.

Nesse conteúdo, você irá aprender:

Por isso, criamos um guia com tudo que você precisa saber para escrever um roteiro de vídeo de sucesso! Vamos lá?

O que é um roteiro?

Roteiro é um documento narrativo que descreve, do início ao fim, uma produção audiovisual. Ele é responsável por guiar todos os profissionais envolvidos na construção de um vídeo ou filme no que diz respeito às cenas, diálogos, locais de gravação, tom de voz, equipamentos, indicações de edição e toda e qualquer característica a mais que poderá compor tais produções.

Em resumo, o roteiro nada mais é do que a transcrição de um filme ou vídeo no papel.

Já imaginou um filme, que pode demorar meses ou anos para ser gravado, com centenas de atores e profissionais envolvidos, sem roteiro?

Seria impossível coordenar toda a equipe na mesma direção. O roteiro funciona como um guia que descreve, minuciosamente, todos os acontecimentos e características de uma cena.

Está enganado quem pensa que apenas produções cinematográficas precisam de um bom roteiro.

Se seu intuito é gravar vídeos gastando pouco tempo e dinheiro mas com qualidade profissional, é fundamental que você comece a valorizar a criação de roteiros.

Vamos entender melhor os motivos?

Por que meus vídeos precisam de um roteiro digno de cinema?

Uma rápida pesquisa no Google mostra que o vídeo marketing está em plena expansão. Hoje, não há quem acesse a internet e saia sem assistir um vídeo qualquer.

Estima-se que 80% das pessoas assistem a pelo menos um vídeo antes de se desconectarem da rede. E mais um detalhe importante, 90% dos profissionais de marketing digital afirmam usar o vídeo para vender e/ou comunicar com seu público.

Alguns números são bem significativos quanto à relevância de um vídeo marketing, e seus resultados com usuários da internet.

Uma pesquisa realizada pela Forbes, em 2017, diz que 90% dos usuários acham que vídeos auxiliam durante a decisão de compra.

A State of Video Marketing, diz: 95% dos usuários assistem a um vídeo para entender melhor um produto ou serviço. Ela também afirma que 81% das pessoas são convencidas a comprar um produto ou serviço depois de assistir um vídeo.

Mas não basta ser um vídeo qualquer, sem nenhum cuidado com o roteiro e com uma produção amadora.

Pelo contrário, sua ideia, produto ou marca merecem uma produção profissional e um roteiro digno de cinema!

Se a estratégia é ousada e almeja resultados positivos, os vídeos necessitam de uma atenção especial do planejamento de marketing. Principalmente quanto ao roteiro.

Isso porque, o roteiro não só otimiza o tempo de uma produção de vídeo e seus imprevistos, como também garante a objetividade.

Gravações em áreas externas, em lugares públicos, tendem a sofrer com interrupções durante um take e outro. Nesse caso, ele serve para a produção recomeçar a gravação sem perder o foco e a linha de raciocínio.

A objetividade é garantida por um bom roteiro que transmite a mensagem de forma imediata, sem enrolar o espectador.

Um vídeo marketing não pode ser longo e entediante, deve ter um roteiro que transmita as informações de forma precisa. Portanto, analise todos os dados que serão inseridos e como isso será exibido no vídeo.

Tudo isso vai convergir em uma produção nitidamente profissional garantindo a credibilidade da mensagem que você quer transmitir.

Em suma, ao construir um roteiro de vídeo você evita jogar tempo e dinheiro fora.

Quais são os tipos de roteiro?

Ao pesquisar referências para fazer um roteiro de vídeo, é comum você se deparar com exemplos de produções cinematográficas.

Esses tipos de produção são mais extensas, complexas e repletas de linguagens e termos técnicos avançados. Porém, nem sempre esse tipo de roteiro é o mais adequado quando o assunto é vídeo marketing.

O formato ideal de roteiro varia conforme cada vídeo, suas características e objetivos. Ou seja, não existe um tipo de roteiro certo ou errado. Mas sim o mais adequado para a sua equipe, seu projeto e suas pretensões.

Abaixo, separamos três modelos de roteiro de vídeo que funcionam muito bem para qualquer produção de marketing, são eles:

Roteiro de texto direto

Como o nome já indica, esse modelo de roteiro é apresentado em um texto corrido. Que irá descrever tudo o que será apresentado no vídeo de forma simples.

Tudo deve ser escrito de forma corrida, como em uma redação. Descreva todas as falas do vídeo no roteiro de texto direto, seja uma narração ou uma cena de diálogo. Nesse tipo de roteiro todas as descrições de áudio devem constar no documento.

O texto direto não necessariamente deve ser seguido à risca, ele serve para guiar os interlocutores direto ao assunto.

Trocas de palavras por sinônimos e frases semelhantes com melhor sonoridade são comuns nesses casos, pois a ideia é que o diálogo ou a narração sejam feitas de forma mais natural possível. Então, normalmente, os atores, apresentadores ou narradores dão um tom pessoal no momento da gravação.

Esse é um ótimo tipo de roteiro para quem realiza as gravações sozinho ou em equipes pequenas.

O texto direto também é útil para vídeos majoritariamente narrativos ou com pouca edição, como vídeos tutoriais e educativos.

Roteiro técnico ou duas colunas

O roteiro técnico também consiste em um modelo simples, mas que permite uma melhor visualização do produto final.

Nesse modelo, o roteiro é dividido entre duas colunas: de áudio e de vídeo. Assim, serão descritos seus respectivos elementos. Alguns roteiristas ainda incluem uma terceira coluna, indicando a duração de cada cena.

Esse tipo de roteiro é ótimo para pensar e imaginar cada propriedade do vídeo a ser produzido.

Isso facilita a visualização de seu resultado final por toda a equipe. Principalmente se o roteirista não participar dos processos posteriores de produção e edição.

Veja alguns exemplos abaixo:

Publicidade

É o mais comum, garante que a produção –  após análise do briefing – possa transcrever a ideia para o corpo técnico.

Para quem não está habituado com produções de vídeo, esse modelo permite uma perfeita visualização da ideia ainda no papel. É este roteiro que as agências de publicidades costumam receber para aprovação final.

Curta metragem

É um modelo utilizado nos curtas, pois, muitas vezes, o responsável pela criação do roteiro não participa da gravação ou da edição final.

Isso facilita muito para a equipe de captação de imagem e som e também a equipe de pós-produção.

Longa metragem

Esse tipo de roteiro é mais comum em produções de longa metragem de baixo custo, onde o orçamento não alcança os milhares de dólares.

Os motivos são os mesmos de uma produção de curta metragem.

Documentários

Neste caso até mesmo as grandes produções, na prática, costumam usar o roteiro técnico.

Documentários tendem a ser mais sóbrios e com uma narração bem ilustrativa, por isso ter áudio e imagem descritos facilita muito o processo.

roteiro

Roteiro de cinco colunas

O roteiro de cinco colunas (ou espelhos) é um modelo muito utilizado. E apesar de ser mais detalhado, ele é bastante simples e assertivo.

Suas cinco colunas ordenam os seguintes aspectos:

  • Número da cena;
  • Texto falado;
  • Indicação da fonte da fala;
  • Letterings;
  • Descrição de cena.

Esse é um modelo mais completo, que permite orientações minuciosas, mais aprofundadas e assertivas em relação a essas cinco diferentes propriedades.

Confira o exemplo a seguir:

roteiro

Contudo, vale lembrar que nenhum desses modelos é inalterável. Todos os formatos podem ser mudados e adaptados de acordo com as necessidades e características de cada vídeo marketing.

O que é fundamental em um roteiro de vídeo de sucesso?

Papel e caneta na mão, ou o bloco de notas do seu computador, para os 12 passos fundamentais para fazer um roteiro de vídeos perfeito!

Descrição das cenas

Descreva cada cena minuciosamente, deixe claro como deve ser o ambiente e as posições em que os atores devem estar. Em muitas produções o ambiente ajuda a transmitir o conteúdo que a produção pretende passar.

Por isso, é importante que todos os detalhes da cena sejam minuciosamente descritos para que não haja interpretações equivocadas.

Descrição de falas, diálogos, narração

Todo o áudio deve ser descrito, seja diálogos, narrações, falas avulsas e sons feitos pelos personagens também.

Por exemplo, se a cena tem dois atores correndo e conversando é importante que eles estejam com a voz ofegante e reproduzam os mesmos sons que pessoas praticando corrida costumam emitir.

Os efeitos sonoros e as trilhas também devem ser sinalizados, pois eles fazem parte da composição da cena.

Descrição de linguagem e tom da gravação

Toda produção, independentemente do tipo, tem uma persona e a definição da linguagem e do tom da gravação devem estar de acordo com ela.

A linguagem vai determinar quem é o público que aquela filmagem quer atingir.

Filmes musicais, por exemplo, têm uma linguagem e um tom específicos para aquele público e quem não está acostumado pode não entender porque aquele filme é apresentado daquela maneira.

Vamos usar como exemplo de linguagem e tom de gravação um filme infantil. É importante que a linguagem seja informal, próxima e simples de entender. Termos muito complexos ou técnicos não serão entendidos por uma criança e não atingirão o público-alvo.

Descrição de local de gravação e cenário

A locação, onde o vídeo será gravado, também deve constar no roteiro.

Descreva os cenários e todos os elementos que devem compor a cena. Oriente como deve ser feita a transição de uma cena para a outra.

Para cenas em áreas externas, procure um local com baixa incidência de ruído e pouco fluxo de carros e/ou pedestres.

Descrição de personagem(ns) e respectivo figurino e postura

As características de cada personagem devem estar bem claras, da mesma forma que seus respectivos figurinos e postura em cena.

Para a personagem, o roteiro deverá explicitar suas características físicas como cores dos cabelos, da pele, dos olhos, altura, tipo de cabelo, tipo físico etc. Além de definir como a personagem precisa ser representada: uma pessoa doce, meiga, calma, frágil, insegura ou forte, determinada, rude, e assim por diante.

O figurino vai ajudar a compor a identidade da personagem. Se o objetivo é fazer um filme que conte a história de um fazendeiro, não fará sentido que o figurino seja repleto de peças escuras, ternos ou camisas sociais, por exemplo.

Caso a personagem seja um cantor de uma banda de rock o figurino dela deve ter pulseiras de metal e couro, coturnos pesados, calças escuras, camiseta de banda, anéis, e até o comprimento dos cabelos e da barba podem entrar nessa descrição.

Orientação dos enquadramentos e movimento de câmera

O enquadramento e os ângulos de cada cena também devem estar dispostos no roteiro.

Nem sempre o diretor é quem decide esse detalhe. É muito comum que os movimentos de câmera sejam sugeridos no próprio roteiro.

As orientações devem ser detalhadas para que nenhum movimento saia diferente do esperado.

Descrição dos equipamentos necessários para gravação

Descreva, objetivamente, quais os equipamentos devem ser utilizados para a captação das imagens e som, isso inclui:

Existem inúmeros equipamentos que podem beneficiar ou prejudicar uma filmagem, por isso fique atento a essa informação.

Caso não tenha o conhecimento técnico necessário, procure por um profissional de audiovisual para orientá-lo a respeito. Procure sempre equilibrar e manter a qualidade profissional dentro do seu orçamento.

Sugestão de posicionamento de câmera e luz

Como no caso dos enquadramentos, o roteiro também pode indicar o posicionamento das câmeras no set de filmagem.

As luzes são muito importantes na hora de compor o cenário e dar o tom da cena.

Ambientes com muita ou pouca luminosidade podem passar o clima, a sensação contrária do que se deseja, portanto, fique atento. Deixe as suas sugestões de iluminação bem especificadas no roteiro.

Descrição dos equipamentos necessários para edição

Deixe especificado qual o software de edição de vídeos você quer que seja utilizado.

Há várias opções, mas procure priorizar para os de nível profissional. Há máquinas que não suportam determinados sistemas e travam quando estão sendo usadas, e isso pode atrasar a entrega do vídeo.

Não corra esse risco, portanto, se julgar necessário, especifique as configurações mínimas do computador.

Não pense duas vezes se houver a necessidade de contratar dois ou mais editores de vídeo. Seja rigoroso com os prazos de entrega.

Inclusive, nós já separamos uma lista com todos os melhores softwares de edição de vídeos do mercado, gratuitos e pagos

Indicações de edição, como corte e tipo de transição

Faça suas sugestões sobre os tipos de corte e transições que deseja em seus vídeos.

Os cortes e transições garantem a dinâmica da narrativa. Sugira a inserção de letterings e GC’s, sempre que julgar necessário.

Não esqueça de especificar os pontos exatos para incluir os cortes e as transições, se possível, acompanhe de perto o trabalho dos editores.

Descrição do formato de finalização da edição

Deixe claro o tipo de formato em que seu vídeo deve ser exportado. Isso é muito importante, pois vai definir onde o vídeo poderá ser assistido.

  • Caso não domine essa área ou não saiba a diferença entre os formatos de vídeo, leia nosso conteúdo sobre os tipos de vídeo marketing existentes. Tenho certeza que irá te ajudar!

Revisão

Passo fundamental para quem quer garantir a qualidade e o profissionalismo do produto final é a revisão.

A revisão é o que vai garantir que seu roteiro não tenha erros de ortografia, digitação ou mesmo de estratégia.

Faça a leitura em voz alta e cronometre o tempo de cada fala. Repita esse processo algumas vezes e troque as palavras que soam muito formais para que o texto fique mais natural.

Contar com a ajuda de outro profissional para ouvir a sua narração pode ajudar a aperfeiçoar o que já está bom.

Termos técnicos que você pode esbarrar na hora de escrever um roteiro

Antes de falarmos sobre os termos, é preciso deixar claro que nenhum deles é fundamental para sua produção. Se Roteirista não é sua profissão de carteirinha, não se preocupe em decorar, ok?

Mas, como são termos que você pode esbarrar por aí enquanto cria seu roteiro, vale a pena citá-los.

Off screen

Orientações que são colocadas ao lado do nome do personagem para orientar como o diálogo será introduzido na cena.

Em outras palavras, essa categoria é utilizada para descrever uma fala onde o ator está na cena, mas o espectador não pode vê-lo. É como se o personagem falasse enquanto a câmera está focada em uma outra ação.

Voice Over

Ao contrário do termo anterior, nessa parte você vai descrever todas as falas que não vão sair diretamente da boca do seu personagem. É como se fosse uma espécie de narração, mas também pode representar os pensamentos, uma voz em um telefonema, entre outros.

BG

Também conhecido como background, ele quer dizer plano de fundo, ou seja uma cena, música ou até mesmo um cenário que esteja acontecendo por trás na cena principal.

Fade

São as transições que aparecem na tela.

Existe o FADE IN e o FADE OUT.

O primeiro item introduz uma imagem aumentando progressivamente a opacidade dela.

Já o FADE OUT diminui a opacidade até que a imagem desapareça e outra seja introduzida em seu lugar ou, até mesmo, uma tela preta.

Flashback

Essa parte serve para indicar quando uma cena remete ao passado de algum personagem. Isso deve ficar claro para que o editor consiga fazer o espectador entender do que se trata aquela cena.

Storyline

Nesse campo você vai sintetizar sobre o que se trata a história que você está escrevendo. É um pequeno resumo para que todos os profissionais envolvidos na produção consigam entender o seu objetivo.

Composição

Aqui você vai sintetizar sobre os personagens e as descrições dos objetos que vão se relacionar com eles durante a cena. Essa parte é importante para o diretor que vai monitorar as interações ao longo do vídeo.

Locução em off

É um tipo de locução que é feito sob as imagens, o locutor não aparece.

Lettering

Esse termo serve para determinar toda a parte escrita que vai aparecer ao longo do vídeo. São as informações (em texto) sobre o vídeo, cliente, etc.

Talvez você precise colocar alguma informação importante, mas que não dá para ser encaixada na fala do ator ou locutor.

Você pode escolher um espaço entre as cenas e escrever, como um telefone, ou um aviso, ou até mesmo palavras para enfatizar o que está sendo dito ao longo do vídeo.

B-Roll (cena B):

São animações gráficas, fotografias, elementos e tomadas adicionais que aparecem entre as cenas.

Zoom

É quando aproximamos a imagem para destacar ou criar um efeito no vídeo.

Passo a passo de como criar um roteiro de vídeo na prática

1. Trace um planejamento estratégico

Uma maneira simples de dar início à criação do seu roteiro de sucesso consiste apenas em responder algumas perguntas básicas sobre o propósito do seu vídeo:

  • Para quê estou fazendo este vídeo?
  • Para quem é o vídeo?
  • Com quem farei este vídeo?
  • Onde será produzido o vídeo?
  • Quando o vídeo será produzido?
  • Como será gravado o vídeo?
  • Quanto gastaremos na produção do vídeo?

A resposta para cada uma dessas perguntas é de suma importância para a construção do roteiro de vídeo. Esta será a orientação de sua produção como um todo.

2. Anote suas ideias e busque referências

É muito difícil iniciar qualquer projeto do zero, com o roteiro de vídeo não é diferente.

Busque referências e inspirações assistindo vídeos relacionados ao seu público ou sobre histórias que você goste da forma como foi contada.

Desenvolver uma ideia baseada em outra que já deu certo pode ser um bom caminho a seguir.

Cuidado para não copiar literalmente uma ideia já desenvolvida, isso pode ser considerado plágio e acarretará em problemas jurídicos.

Tente adaptar as boas ideias e referências ao seu vídeo, de forma com que elas se encaixem em sua narrativa. Não tenha medo de arriscar, mas seja prudente, ouça opiniões de profissionais mais experientes e desenvolva sua criatividade.

2. Construa o briefing

O briefing é um documento onde consta todas as informações referentes ao projeto a ser executado.

Nele você encontra todos os dados do seu cliente, o público alvo, seus pontos fortes e fracos. Os principais problemas e oportunidades também aparecem neste documento, bem como os recursos para atingir seus objetivos.

Não há um modelo pronto de briefing, cada empresa possui o seu modelo adaptado às suas necessidades. Ele deve ser curto se possível e extenso se necessário.

Esse documento passa pelas mãos de pessoas de diferentes áreas, por isso, todas as informações importantes devem estar descritas.

Não deixe nenhuma informação relevante de fora, é a partir do briefing que a sua ideia vai sair do papel.

3. Escolha o formato do vídeo

Esse ponto é muito importante, pois ele vai direcionar diversos pontos do seu roteiro e da sua gravação.

Para escolher o tipo de vídeo que será gravado é preciso, anteriormente, definir qual o objetivo deseja alcançar, a mensagem que deseja transmitir e para qual público. Veja a seguir alguns exemplos de tipos vídeos que você pode produzir:

  • Tutoriais; os vídeos tutoriais mostram como o usuário pode fazer algo. Esse tipo de conteúdo ficou conhecido por causa das blogueiras que criavam tutorias de maquiagem, mas ele pode ser utilizado em qualquer tipo de segmento.
  • FAQ Vídeo; podem se vídeos bem curtos, apenas respondendo as principais dúvidas dos clientes.
  • Vídeo Case; a sua empresa tem um case de sucesso com algum cliente que é muito relevante? Coloque isso em vídeo. Convide o cliente para participar, dar o depoimento e contar como a marca pode ajudá-lo.
  • Vídeo Institucional; é uma forma dinâmica de contar a história da marca, mostrar seus valores, cultura organizacional, produtos ou serviços. O legal desse conteúdo é que ele pode ser utilizado no site da empresa, em ações com colaboradores, com os clientes, nas redes sociais e onde mais a marca quiser.  

4. Escolha o modelo do roteiro

Escolha entre um dos modelos de roteiro que listamos acima.

Analise qual combina mais com o seu estilo de produção e comece a desenvolver!

Ressaltamos, novamente que todo e qualquer modelo de roteiro pode e deve ser alterado conforme as necessidades de cada produção. O ideal é seguir exatamente como foi definido, por isso, capriche no texto e coloque tudo no papel.

5. Escreva o roteiro

Siga nossas recomendações, coloque suas ideias no papel e crie o seu melhor roteiro! Converse com profissionais mais experiente, busque referências e seja criativo.

Vale a pena arriscar quando você está bem preparado, seja ousado, mas cuidado com os exageros e assuntos polêmicos.

6. Fale diretamente com o seu público

O público precisa se identificar com a mensagem, entender que ela foi feita para ele, por isso é importante entender quem é a persona da sua marca.

Com a persona definida, você conseguirá desenvolver um conteúdo que converse diretamente com ela.

7. Escolher um bom tom de voz

O tom de voz é a forma com que você vai passar a sua mensagem ao público e depende diretamente da construção da persona da marca.

Caso o objetivo seja atingir o público infantil, por exemplo, um tom de voz sério e distante não é o indicado. Antes de definir, estude sobre a persona e a voz da marca.

7 erros ao escrever um roteiro de vídeo que não deixam seu vídeo sair do lugar 

1. Não pesquisar

Ao escrever um roteiro de vídeo, muitos produtores ignoram um passo essencial: a pesquisa. É por meio dela que você tem acesso às referências sobre o assunto; adquire conhecimento sobre o que é legal de se utilizar e o que não é; entende um pouco mais o foco que o vídeo precisa ter e bem; vê o que a concorrência anda fazendo.

Então, se você é daqueles que pensa que esse não é um passo necessário para o bom andamento do seu projeto, já pode marcar X. Porque ignorar a pesquisa é um erro monumental!

2. Não conhecer seu público-alvo

Não existe vídeo que sobreviva sem saber quem ele quer atingir. Afinal, não dá para atirar para tudo quanto é lado e esperar que alguns gatos pingados caiam na sua teia. Por isso, saber com quem você está falando é uma peça-chave na hora de escrever um roteiro de vídeo. Foque na persona e, aí sim, crie um conteúdo que vai atraí-la!

3. Diálogos forçados

Foi-se o tempo em que repetir bordões era o bastante para conquistar clientes! Hoje em dia, você precisa usar muito mais que isso para garantir que alguém vai morder a isca. Além do mais, usar diálogos forçados é totalmente contra o Inbound Marketing, o que já faz com que você volte muitas casinhas no jogo da vida.

Lembre-se: seus vídeos precisam ajudar os telespectadores. No mercado que temos, não adianta só empurrar produtos goela abaixo. Você precisa atrair a atenção de seus clientes para, então, fechar a venda.

4. Roteiro impossível de sair do papel

Na hora de escrever um roteiro de vídeo você é daqueles que cria cenas inimagináveis, cortes extravagantes e tomadas impossíveis de serem executadas? Esse também pode ser um problema!

Na hora de criar seu conteúdo audiovisual, se atenha ao simples. Não estamos falando de uma superprodução Hollywoodiana aqui. Seu vídeo não precisa ser cheio de efeitos, ele só tem que ter a capacidade de passar a sua mensagem com transparência e permitir que os telespectadores conheçam a sua marca e saibam o que esperar de seus produtos e serviços.

5. Falta de objetividade

Se lembra do que falamos no tópico anterior? Isso serve para esse também: menos é mais.

Você não precisa colocar um pônei, um cachorro e um gato falante no seu comercial para chamar a atenção do seu público. Acredite no seu potencial e naquilo que você criou e mostre isso de um jeito simples e franco. Acredite, funciona muito mais!

6. 30 segundos fracos

No mundo dos vídeos, você tem 30 segundos para conseguir captar a atenção do seu espectador. Por isso, se seus vídeos não costumam ser cativantes ou se você é daqueles que prefere esperar até o último segundo para revelar:

a) o objetivo do vídeo;

b) o segredo ou novidade que planeja anunciar;

c) as duas alternativas, é muito provável que essa seja a razão pelo qual seus vídeos não alcançam tantas pessoas.

Vamos usar um exemplo simples: você se lembra daqueles anúncios rápidos do YouTube? As empresas criaram estratégias com humoristas, cantores e atores para chamar a atenção do usuário e fazer com que eles permanecessem lá para consumir o seu conteúdo. O mundo dos vídeos é basicamente esse.

Quando alguém dá o play no seu vídeo, você também tem um cronômetro imaginário que te dá 30 segundos para captar a atenção do espectador. Por isso, ao escrever o roteiro de um vídeo, é essencial que você se atente a isso e se esforce para conseguir cumprir essa missão!

6. Apostar em clichês

Os clássicos são clássicos por uma razão, a gente sabe. Mas isso não quer dizer que você precise viver para recriá-los, não é mesmo? Na hora de criar seus roteiros, é importante sim usar referências, mas lembre-se de criar seu próprio conteúdo. Um que tenha ligação com o que você faz e com os seus valores.

Vale a pena apostar em um brainstorm, reunir todas as coisas que fazem da sua empresa única e os detalhes mais importantes sobre o produto ou serviço anunciado no vídeo e entender como utilizar tudo isso para criar os 30 segundos mais impactantes possíveis. Dessa forma, você vai garantir que terá a atenção da sua persona.

Ah, e lembre-se: seja claro, seja objetivo, fale do produto com propriedade e acredite no seu negócio!. Afinal, você o criou e sabe melhor do que ninguém o que faz dele especial.

7. Falta de originalidade

Existem milhares de empresas por aí buscando mais espaço no universo online. Esse, aliás, foi responsável por fazer com que todos tivessem um local onde anunciar sua empresa e se posicionar diante de seus possíveis clientes.

E, por ter tanta concorrência, é cada dia mais importante que você pesquise mais e mais para criar um conteúdo criativo e assertivo. Só assim você garantirá que as pessoas vão realmente ouvir o que você tem a dizer. Por isso, na hora de escrever um roteiro de vídeo, tenha em mente que ele tem que ser criativo. Ele precisa se diferenciar daqueles que a sua concorrência está fazendo.

Coloque a cabeça para pensar e invista em vídeos que vão ajudar seus clientes e vão transformar você em uma referência para eles. Esses são os passos para transformar você em uma autoridade e fazer com que você finalmente consiga o espaço que tanto sonha nas mídias sociais.

Você marcou alguns pontos nessa listinha? Então, é hora de rever seus conceitos no momento de escrever um roteiro de vídeo. Lembre-se que evitar o óbvio é mais que necessário para fugir da maldição das visualizações baixas e dos vídeos sem conteúdo!

Por isso, cole essa lista no seu desktop, salve num bloco de notas ou em um papel na sua carteira e use-a como um check list – ou um mantra – antes de concluir um roteiro. Assim, você saberá que evitou os famosos erros que podem afundar com um projeto e terá a certeza de que seu vídeo pode – e vai – ser um sucesso.

Os segredo que ninguém te conta sobre um roteiro de vídeo de sucesso

Storytelling

Essa técnica consiste em uma forma de transmitir um conteúdo por meio de uma narrativa atrativa e envolvente, como se fosse uma história de verdade.

Muitos profissionais, inclusive, afirmam que o Storytelling é a arte de contar histórias por meio de recursos audiovisuais.

Os vídeos já contam com a vantagem de envolver o telespectador automaticamente e quando somamos isso a um roteiro interessante, as chances de dar certo só aumentam.

Criar um roteiro baseado em técnicas de storytelling é mais do que passar uma mensagem com sons e imagens, é fazer com que o receptor se encante por aquele conteúdo, se identifique de alguma forma e queira compartilhá-lo.

Antes de começar a produzir o seu vídeo pesquise algumas campanhas criadas com técnicas de storytelling, construa uma narrativa para sua história, pense nos elementos que vão cercá-la e coloque todas as informações em seu roteiro.

CTA

O Call To Action é uma chamada para ação, ou seja, uma maneira de indicar ao cliente qual atitude ele deve tomar.

Você já deve ter sido impactado por diversos CTAs, no seu e-mail, nas redes sociais, na sua navegação na internet etc.

Esse elemento é muito importante para que você possa direcionar o cliente para completar uma ação, que pode ser comprar, ligar, seguir, curtir e muito mais.

Não deixe de adicionar um CTA ao final do seu vídeo, pois você pode perder a chance de garantir uma conversão.

Agora que você já aprendeu a como fazer um roteiro de vídeo de sucesso, está na hora de colocar a mão na massa!

 

Fique por dentro de todas sacadas de Video Marketing!

Aprenda tudo o que é necessário para alcançar resultados reais com seus vídeos <3 Powered by ConvertKit

Cresça agora os resultados dos seus vídeos

Aprenda tudo o que é necessário para alcançar resultados reais com seus vídeos:

Nosso objetivo é aumentar o seu ROI com vídeos <3 Powered by ConvertKit